domingo, 16 de março de 2008

O rio corre de século em século, e as histórias dos homens se desenrolam na margem. Acontecem para serem esquecidas amanhã e para que o rio não pare de correr.

Milan Kundera - A insustentável leveza do ser

2 comentários:

bananoide disse...

Poxa, fazia tempo que eu nao lia o seu blog. Foi uma agradavel surpresa ver que voce tinha postado coisas novas, vou ver se eu ressuscito o meu tambem.

Thiago disse...

eu também não entrei aqui por um bom tempo ...

bom ver que você continuou na lida!

té mais!